A CASA DAS TREZE JANELAS

by 11.7.14 5 comentários

Me lembro bem daquela velha casa
De fachada imponente 
Frente à outras casas que não lembro bem
Do portal gigante 
Perante minha miudeza
E das treze janelas de tanta beleza

Só Deus sabe os segredos ali guardados
Dizem que já houveram mortes
Suicídio, talvez,
Ou assassinato
Ah, se as paredes falassem!

Das entranhas daquela velha casa
Já surgiram muitos boatos
Alguns, de fato, fantasiosos
Outros, no entanto,
demasiadamente horrorosos

Dizem que no passado
Crianças foram molestadas,
assassinadas e enterradas
Dentro daquela casa
E eu, que não sou cético nem nada
Sei que ela é um tanto assombrada
Pelo sofrimento dos que já foram
E o tormento dos que ficaram.

Dênis Girotto de Brito

Escritor

Poeta e contista, autor do livro "Os três lados da moeda: vida e morte em poesia" e colaborador em diversas antologias de contos.

5 comentários:

  1. eu moro perto da casa das treze janelas giroto
    lembro da casa antes de ser reformada quando era criança e brincava por perto
    bem embaixo ela tem uns furos e todas as crianças tinham medo de olhar la
    pq fantasmas apareciam
    levavamos isso muito a serio tanto que nao me lembro de uma vez sequer olhar la pra dentro ate o começo da minha adolescencia kkkkkkkkkkkkkk msm depois de ter sido reformada

    ResponderExcluir
  2. Putz, a casa existe mesmo.
    Imagino o medo das crianças em espiar.

    Histórias, estórias e outras polêmicas

    ResponderExcluir
  3. A casa existe mesmo? Deve ser terrível. Esse poema me fez lembrar do livro "O Sol nasce para todos", havia uma casa assustadora e um morador muito temido. Muito bom!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A casa existe sim e as histórias (ou estórias) são muitas. Rsrs

      Excluir

© 2014 O Poeta e a Madrugada Traduzido Por: Girotto Brito - Designed By Girotto Brito.