SONETO DE UMA MÃE AMARGURADA

by 8.4.15 18 comentários

Disseram-me, criança
Que teu coração não bate
Estático feito rocha
Não bate, o teu coração

Diante de tal sentença
Sinto-te dentro de mim
Invade-me uma tristeza imensa
Uma amargura sem fim

Que será de ti, minha criança?
Posso manter a esperança
De te ter vivo em mim?

Que será de mim sem você?
Serei capaz de aguentar
Uma dor tamanha, assim?


© Girotto Brito

Dênis Girotto de Brito

Escritor

Poeta e contista, autor do livro "Os três lados da moeda: vida e morte em poesia" e colaborador em diversas antologias de contos.

18 comentários:

  1. sempre ouvi dizer que pra uma mulher perder o filho que carrega no ventre é uma dor psicologica horrivel, como nunca passei nao sei dizer...
    mas vc me passou tristeza nas palavras
    achei super bonitinho seu soneto >> sou dessas que acha a tristeza bonita quando descrita

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É impensável, para quem não teve essa experiência, imaginar a dor que pode sentir. Com certeza é um trauma horrível, e tentei retratar esse sentimento no soneto.
      Obrigado pela visita, Marcelle.
      Abraços!

      Excluir
  2. Olá Dênis,

    Parabéns pelo belo soneto muito vem versado e rimado.
    Deve ser uma tristeza absurda não poder sentir no ventre o coraçãozinho do filho já tão amado e não ter a esperança de tê-lo nos braços.

    Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Lu.
      Agradeço sua visita e participação.
      Bjos.

      Excluir
    2. Corrigindo. *bem

      E de nada, amigo... É sempre um prazer te ler.

      Excluir
  3. Dênis,
    muito lindo seu soneto e meio nostálgico,
    mas real e dentro das possibilidades de toda gravidez!
    Como deve ser triste para a mãe não sentir o coração de seu filho bater no ventre!
    Bjus e lindo final de semana!
    http://www.elianedelacerda.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Realmente, querida. Toda mãe está sujeita a passar por isso.
      É a vida.

      Bom fim de semana para você também, Elyane.
      Abraços!

      Excluir
  4. Eras Dênis me tocaste profundamente, fiquei com o olho cheio de lágrima...
    Estou grávida e às vezes me bate um medo de não ouvir o coraçãozinho do meu bebê, não consigo nem me imaginar o tamanho dessa dor...
    Fiquei um pouco triste, mas me tocaste de alguma forma, palavras nem sempre são belas e ainda mais quando elas retratam realidades, parabéns pela coragem por escrever algo tão forte.
    beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Então não imagine. Não tem porque sofrer antecipadamente, acredite que vai dar tudo certo. Parabenizo-a pela gravidez e desejo a você e seu filho muita saúde e felicidade. Bjão, Lu. :)

      Excluir
  5. Meu amigo poeta, tão jovem e tão talentoso em nos passar sentimentos tão profundos, provado está que nossa alma é milenar!
    Amei ler, seu soneto está magnífico, tristeza de uma mãe por medo e incerteza sobre o futuro do bem maior que traz no ventre, eis aí um amor sem limites!
    Abraços meu jovem amigo poeta!

    ResponderExcluir
  6. Olá, Dênis! Não tenho medo de quase nada nessa vida, porém, o medo de perder um filho é uma coisa que sempre me acompanhou. Perfeito soneto! Parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que acompanha a grande maioria das mulheres. Os pais sentem a perda também, mas acredito que a dor da mãe é incomparavelmente maior, já que esta pode sentir a vida brotando dentro de si.

      Obrigado pela visita, Joana.
      Grande abraço!

      Excluir
  7. .

    Amanhã, 17, farei uma brincadeira
    com relação a terceirização e gos-
    taria de contar com a sua leitura.

    Ah, como achei encantador o seu
    blog, vou segui-lo. Espere que goste
    do meu.

    Um abraço e obrigado.



    .

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Agora que vi sua mensagem, Silvio. Vou já conhecer seu blog.

      Excluir
  8. Não há nem nome para quem um filho(a) perde, tamanha a incompreensão e a vastidão desse sentimento devastador. Belas palavras Dênis!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Vitor.
      Agradeço sua participação.
      Grande abraço! :)

      Excluir
  9. Bom dia Dênis.. é uma bênção para a mulher ser mãe.. algumas passam por isso infelizmente.. o que posso dizer é que já fiz regressões e se a mulher abortou em uma vida passada nesta não poderá ser mãe.. tem tb o caso de perder o filho com alguns meses, me foi dito que a coisa na familia é tão pesada que este ser se nega a vir.. mas que elas possam dar a luz que é vida.. estou fazendo uma obra sobre o nascimento.. todas as fases do bebe.. tá bem bacana.. abraços poeta até sempre

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Uma obra sobre o nascimento? Que interessante! Há muitas causa, razões e superstições a respeito do aborto provocado ou espontâneo e, independente dessas crenças, a dor materna talvez seja o que há de mais triste em se presenciar.

      Fico feliz com a sua visita e participação aqui no blog, Samuel. Obrigado!
      Abraços.

      Excluir

© 2014 O Poeta e a Madrugada Traduzido Por: Girotto Brito - Designed By Girotto Brito.