APENAS PALAVRAS

by 30.8.14 5 comentários


Palavra
Que desfia a carne da alma
Com lâmina de fino corte
Que me ilude,
me entristece,
me mata e me faz forte

E a morte que me cerca,
que me fere,
e desafia a sorte
desse homem forjado de palavra

Não é à toa que me faço
em traços,
em garranchos
E desfaço a palavra que me foi dita
Pra curar a ferida que se fez em meu peito

E assim tenho feito
Uma palavra atrás da outra
Desfiando almas
Iludindo corpos
mortos de tanta palavra.

Dênis Girotto de Brito

Escritor

Poeta e contista, autor do livro "Os três lados da moeda: vida e morte em poesia" e colaborador em diversas antologias de contos.

5 comentários:

  1. Que lindo!
    Você escreve maravilhosamente bem,sabia?
    Poema com palavras.....amo as palavras!!!!!
    Amigo poeta, você é demais!!!!!!
    Show!!!!
    bjus e bom domingo!
    http://www.elianedelacerda.com

    ResponderExcluir
  2. Nossa, adorei o poema,
    Gostei princialmente do final, me identifiquei muito com este trecho "E assim eu tenho feito, uma palavra atrás da outra, desafiando almas, iludindo corpos, mortos de tantas palavras"
    Muito eu rsrsrsrs

    Beijos
    Lá...

    Dá uma passadinha no meu blog ... Acho que vai gostar!
    https://blogdalauana.wordpress.com

    ResponderExcluir
  3. Quem diria que aquele adolescente que não gostava de ler se tornaria um homem amante das palavras...
    #parabéns!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Né? :¬)
      Nada que um bom incentivo não resolva. Rsrs

      Excluir

© 2014 O Poeta e a Madrugada Traduzido Por: Girotto Brito - Designed By Girotto Brito.