IRMÃOS DE SANGUE

by 5.4.14 8 comentários

Caio e Alberto sempre disputaram tudo, desde crianças. Pela atenção dos pais, por notas mais altas na escola, por brinquedos e até por garotas. Alberto era muito estudioso e na escola sempre se saía melhor que seu irmão, no entanto, Caio herdara a esperteza e o charme de seu pai, e levara vantagem com as garotas. Na infância e adolescência eram constantes as brigas entre os dois irmãos, todos os dias, e por qualquer motivo. Caio sentia-se enciumado por achar que seus pais privilegiavam Alberto, e de certa forma ele não estava errado, seu irmão sempre foi mais bajulado, principalmente pela mãe.
Quando completou dezessete anos, Alberto ganhou uma bolsa de estudo em Madrid e acabou se mudando para a Espanha. Caio, livre de seu irmão rival, terminou apenas o ensino médio e investiu, com a ajuda de seu pai, numa fábrica de móveis.
As coisas deram certo para ambos os irmãos. Dez anos depois, Alberto retorna ao Brasil com seu título de Doutor em Psicologia e encontra seu irmão, Caio, agora um empresário bem sucedido do ramo moveleiro, que o recepciona com a mesma frieza com o qual se despediu anos atrás.
Não havia mais a disputa por carinho dos pais, nem pelos brinquedos, mas um grande problema começou quando Caio soube que seu irmão estava saindo com Mariane, sua ex-namorada e eterno amor de sua vida. Não foi intencional, Alberto não sabia o que havia acontecido entre Mariane e seu irmão, e nem sabia que Caio ainda tentava reconquistá-la. Um mero acaso do destino, que parece ter sido minunciosamente planejado aos fraternos rivais e que desencadeou sentimentos avassaladores de ódio e ciúme em Caio.
Alberto era amaldiçoado por seu irmão, que tentara diversas vezes falar com Mariane, mas foi completamente ignorado. Caio estava acostumado a perder, mas não quando se tratava de mulheres, ele sempre fora o melhor, o mais galanteador, o conquistador, enquanto Alberto sempre fora um tímido desajeitado. E nesse caso, não era uma mulher qualquer, era Mariane, com quem ele planejou casar e ter filhos.
Os sentimentos de inveja, ciúme e ódio foram tomando conta do espírito de Caio, e ele tremia de raiva toda vez que via seu irmão com sua ex-namorada ou quando alguém tocava no assunto. Caio entregou a empresa nas mãos do gerente, já não tinha mais cabeça para o trabalho. Isolou-se em seu apartamento, sozinho, tentando entender o porquê do Alberto, e não ele ter sido escolhido por ela. Não obtivera resposta alguma e então resolver acabar com aquela angústia de uma vez por todas. Se eu não posso ficar com ela, ele também não ficará — pensou.
Durante algumas semanas Caio procurou contatos no mercado de armas ilegais, falou com policiais aposentados, traficantes e pessoas de diversas índoles até encontrar Pablo, um negociante do mercado negro que lhe ofereceu exatamente o que ele estava procurando: Um Fuzil 7,62mm, com silenciador e mira de precisão.  
O plano de Caio era simples. Alugaria um apartamento próximo ao de seu irmão, de modo que pudesse enxergar a janela do seu quarto. Esperaria ele aparecer na janela e o alvejaria com um tiro silencioso e fatal. E aquele irmão que sempre atrapalhou sua vida estaria, enfim, eliminado. E assim ele procedeu, pagou pela arma e a recebeu dias depois. Foi para o seu sítio, aos arredores da cidade, e passou mais cinco dias treinando tiro ao alvo, para que não corresse o risco de errar. Alugou um apartamento com uma localização perfeita para o seu propósito, onde sua janela estava a pouco mais de vinte metros da janela de seu irmão. Tudo o que planejou estava sendo minunciosamente executado.
Chegou o dia. Caio ajustara o Fuzil no tripé, mirado diretamente para a janela do quarto de Alberto. Ele sabia que seu irmão saía do trabalho às oito horas da noite e que sempre vinha direto para casa. A lua cheia facilitava sua visibilidade e faltavam apenas alguns minutos para que tudo fosse resolvido. Ele chegou. Caio pôde ver o carro de seu irmão dobrando a esquina e entrando na garagem do edifício. O suor escorria em sua testa, estava nervoso, mas não iria desistir. Alberto já estava em seu quarto, passou rapidamente pela janela, depois voltou e passou novamente sem camisa.
— Vamos irmãozinho querido. Facilite as coisas para mim. — sussurrou para si mesmo.
Era agora. Alberto parou de pé em frente à janela, na posição perfeita que Caio estava esperando. Puxou o gatilho. O fuzil emitiu um barulho mudo e o vidro da janela do quarto de Alberto se estilhaçou.
— Não! Não! O que você estava fazendo aí! — Caio gritou desesperado.
Assim que puxou o gatilho ele percebeu que Alberto não estava sozinho. Mariane estava lá naquele quarto e quando Caio já não podia fazer nada ela abraçou seu irmão no momento que seu dedo já estava a meio gatilho. Os dois foram atingidos. Seu irmão e sua amada.
Durante alguns segundos Caio permaneceu imóvel, olhando para a janela sem vidro e a mancha de sangue que se formou na parede do quarto de Alberto. O que eu fiz? — pensou.
Ao perceber uma movimentação de pessoas na rua devido aos cacos de vidro que caíram da janela, Caio guardou rapidamente o fuzil e fugiu do apartamento levando consigo as provas daquele crime. Foi para o sítio, enterrou a arma e tentou dormir, mas era impossível. Os sentimentos de culpa e arrependimento estavam perfurando sua consciência. Ele nunca imaginou que pudesse ser capaz de uma atrocidade daquelas, de matar seu próprio irmão a sangue frio.
Alguns sentimentos brotam em nossas vidas como sementes, e isso é inevitável já que nossa consciência é terra fértil para qualquer tipo de semente. Essa fertilidade nos permite cultivar o amor, a esperança, a solidariedade, o respeito, a compreensão e muitas outras plantas que nos oferecem excelentes frutos, mas também nos permite cultivar ervas daninhas, ortigas e outras que só nos trarão prejuízos.
Caio percebeu naquela noite que em toda sua vida só cultivara sentimentos ruins dentro de si. Que a inveja e o ciúme de seu irmão o tornaram um assassino e que nada que ele fizesse poderia reparar a perda do seu irmão, da mulher que amava e nem a vergonha que sentiria de seus pais.
Decidido, levantou-se de sua cama, foi até a mata atrás da casa de campo, desenterrou o fuzil e voltou para o apartamento onde cometera o crime. A rua estava tomada por policiais e repórteres, mas ninguém o viu entrar no edifício ao lado. Já no apartamento, Caio abriu a janela e subiu no parapeito da varanda abraçado ao fuzil. Alguns segundos depois toda a imprensa já estava mirando suas câmeras para ele e os policiais começaram a gritar no autofalante para que não se jogasse.
Caio não tinha mais dúvidas do que iria fazer. Lançou-se do sétimo andar do Edifício Plaza Center, sob o olhar das câmeras e das pessoas que estavam ali testemunhando aquele trágico desfecho.
Na mão esquerda do suicida, a polícia encontrou um pequeno bilhete, escrito em papel de cigarro:
Desculpem-me meus pais, o Alberto era realmente o melhor entre nós, pois soube cultivar em terra árida o que eu não cultivei em terra fértil.

Caio Vasconcelos

______________________________________________________
Gostou? Deixe seu comentário! Sua opinião é muito importante para mim.

Dênis Girotto de Brito

Escritor

Poeta e contista, autor do livro "Os três lados da moeda: vida e morte em poesia" e colaborador em diversas antologias de contos.

8 comentários:

  1. Como sempre seus contos me surpreendendo. Fantástico!
    O desfecho então nem se fala, gostei de mais.
    Ansioso pelo próximo. Grande abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Cláudio, que bom que gostou.
      Em breve postarei outro.
      Abraço.

      Excluir
  2. Adoro ler contos :D
    Mas se o Vendedor de Sonhos estivesse ali, Caio não terminaria assim, pode ter certeza :T

    Um beijo!
    Pâm - www.interruptedreamer.com

    ResponderExcluir
  3. Muito bom. Caio acabou se arrependendo no final e preferiu se matar a ter que viver com aquela culpa.
    Gostei muito. :)

    Ana Carolina

    ResponderExcluir
  4. véio.. forte hein?
    Pior que isto acontece muito por aí.
    Pena que ele não se matou antes;
    Muito bom;
    Abraço

    ResponderExcluir
  5. O conto ficou muito bom e o desfecho não gostei. Nas familias sempre tem os tipos que você citou.
    Mas sem duvida virei um fã do seu blog.

    Abraço.
    Rodrigo (ADM)
    http://botecodeblogueiros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Maravilhoso, curto e simples. Mas com uma delicadeza nas palavras e o principal uma lição que muitos livros de 200 , 300 páginas não dão.
    Belo conto, e obrigada por me proporcionar o prazer de ler os seus contos.

    beijinhos da Lêeh
    http://maetoescrevendo.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

© 2014 O Poeta e a Madrugada Traduzido Por: Girotto Brito - Designed By Girotto Brito.