ESTADO-COLOSSO

by 11.4.15 6 comentários


Numa infância remota
Que a lembrança já nem faz
Questão de guardar
Estive a morar no Matogrosso
Terra do boi-gordo
Estado-colosso

Liberto das correntes da cidade grande
Corri pelas ruas de piçarra
Comi mangaba do pé
Fui girino do Rio Araguaia

Forço para me lembrar
Dos hectares de tanta beleza
Do povo que esbanjava riqueza
De costumes e crenças sortidas
Embora o prato sobre a mesa
Denunciasse a pobreza de suas vidas

Liberto das correntes da contemporaneidade
Banhei em praias de água doce
Roubei ovos das gaivotas do Araguaia
Vivi como se o último dia fosse

O tempo, agora,
Há de ser um inimigo
Que não me deixa lembrar que outrora
Fui feliz como deveria ter sido
A saborear das doces amoras
Do Matogrosso querido

Voei como bicho solto
Nadei como Pacú-caranha
Sonhei como menino afoito
Amei beleza tamanha

E do meu Estado-colosso
Guardo o cheiro da terra molhada
O sabor da farinha de puba
O murici curtido em cachaça
Os rostos dos amigos de infância
E a felicidade de graça.

© Girotto Brito

Dênis Girotto de Brito

Escritor

Poeta e contista, autor do livro "Os três lados da moeda: vida e morte em poesia" e colaborador em diversas antologias de contos.

6 comentários:

  1. Lindíssimas lembranças, nossa, me senti nesse lindo lugar!
    Amo o Brasil, já conheci quase todos os lugares turísticos, de Norte a Sul, Manaus é a pura natureza, meu filho foi morar lá com a família, faz quase dois anos, estão tão felizes que não querem mais voltar para o coração da cidade que ainda me prende, São Paulo, estou ansiosa por recebê-lo daqui a quinze dias ele virá nos rever, meu marido e eu já casamos nosso casal de filhos, agora é só deixar a vida rolar e continuar curtindo os netos mesmo de longe, mas perto do coração!
    Escrevi um comentário um pouco longo, rsrs, me empolguei!
    Abraços meu amigo querido Dênis!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também sou apaixonado por conhecer novos lugares no Brasil. Sou paulista, mas morei a infância no Mato-grosso, depois fui para o Tocantins e por fim mudei-me para o Pará. Viajei outros tantos lugares e conheci muitas culturas e sabores. Esse poema, em especial, é fruto de minhas recordações da infância no Mato-grosso. :)
      Tenho vontade de conhecer Manaus, um amigo meu mora lá.
      Obrigado mais uma vez pela visita e participação, Ivone.
      Tenha uma abençoada semana.
      Abraços!

      Excluir
  2. Oi Dênis, ler seus escritos é viajar para tais realidades!

    =)

    Abraços!

    http://joandersonoliveira.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E viajar é sempre bom.
      Grande abraço, Joanderson! :)

      Excluir
  3. Os rostos dos amigos de infância
    E a felicidade de graça.


    Caraca, Girotto! Gostei do poema todo, mas esse desfecho foi sensacional! Admiro tudo o que você escreve!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A admiração é recíproca, Carol. Adoro seus textos.
      Obrigado pela visita. :)
      Bjão!

      Excluir

© 2014 O Poeta e a Madrugada Traduzido Por: Girotto Brito - Designed By Girotto Brito.