CARTA PARA UM AMOR LATENTE

by 5.4.15 11 comentários

Não faz tempo que te conheço
Vi-te passear outro dia
Criei por ti exímio apreço
Entorpecido fiquei

Perdi-me em devaneio
E com receio nem sequer me aproximei
Perdi um dia inteiro, entristecido
Vi, de longe, tua polidez

Quase me esqueço
Do pobre homem que sou:
Assimétrico adereço,
Intrépido sonhador

Quem dera eu fosse sagaz como você
Perspicaz em toda minha candidez
Mas o amor é algoz, querida
É fera feroz a destilar acidez

Resta-me ser condescendente
Enxergar-te-ei, sempre
De forma esp(a/e)cial
E manterei eternamente
— mais do que o normal —
Esse amor oculto,
Latente,
Abissal. 
© Girotto Brito

Dênis Girotto de Brito

Escritor

Poeta e contista, autor do livro "Os três lados da moeda: vida e morte em poesia" e colaborador em diversas antologias de contos.

11 comentários:

  1. o amor é belo demais para ser omitido como se nunca machucasse o peito.
    é belo demais quando proporciona e inspira versos assim.
    quando cria passagens/expressões tão criativas quanto o jogo de palavras/ideias entre especial e espacial.
    porque amor é sentir e deve ser dito, deve ser mostrado.
    a gente nunca sabe o que o outro sente: até as mentes mais previsíveis podem surpreender.


    beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito bonito o seu comentário, Carol.
      Obrigado pela visita.
      Bjão :)

      Excluir
  2. "Mas o amor é algoz, querida
    É fera feroz a destilar acidez" EU!

    já disse que estou adorando os jogos de palavras? cada vez melhor maninho. ah, felicíssima pelo livro =] meu exemplar é autografado!
    que as coisas continuem dando certo

    Desconstruindo blog

    ResponderExcluir
  3. Que lindos versos, Dênis!
    O amor é assim: as vezes espalhafatoso, barulhento... Mas as vezes é tímido e prefere ficar num cantinho oculto, esperando o momento certo para se despir.

    Muito bom te ler.

    Beijo, amigo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Lu. Fico feliz que tenha gostado e agradeço as visitas.
      Bjão.

      Excluir
  4. Eras parabéns Dênis, que forma criativa para descrever um amor platônico!
    Sempre achei amores calados tão belos, deve ser por causa do meu romantismo rs, mas é tão difícil expressar algo assim sem parecer clichê, já que o próprio romantismo é tão clichê rs... E tu como sempre expuseste tua criatividade, adorei a expressão amor latente, incrível!
    beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Lu. Realmente é sempre um desafio falar do amor. Esse sentimento já foi tão escrito e reescrito durante milênios que expressá-lo de maneira autêntica não é tarefa fácil. Rsrs.

      Grande abraço!

      Excluir
  5. Que estranho nem sempre amamos quem nos ama, e quem nos ama não amamos, porque o amor geralmente é divisão, desencontro, desencanto, subtração e dificilmente é soma. Abraços, Girotto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bem colocado, Fábio. Há quase sempre uma certa ingratidão no amor, ou quem sabe uma univalência. Obrigado pela visita. Abraços!

      Excluir
  6. Muito bom Dênis, como sempre destilando sentimentos em versos calculados e inventivos.
    Certamente você é um dos melhores poetas dessa nova geração.
    Abraços meu caro.

    ResponderExcluir

© 2014 O Poeta e a Madrugada Traduzido Por: Girotto Brito - Designed By Girotto Brito.