TALHADOS NO TEMPO

by 20.6.14 13 comentários


Das mãos, cheias de calos,
Floresce a história do seu trabalho
Escorre-lhe o suor sagrado
Dos dias talhados no tempo

No rosto, cheio de marcas,
Sinais das batalhas de outrora
Não como estas de agora
Que a compreensão ignora
Mas como já fizera antes
Nos tempos de tantas amantes

Da voz, já quase inaudível,
Ouve-se palavras amigas
Embora um tanto sofridas
Pelas quedas da vida

No peito, cheio de compaixão,
Um coração ressoa vacilante
Não como ressoava antes
Nos tempos de tantas amantes
Mas como ressoa agora
O coração vacilante.

Dênis Girotto de Brito

Escritor

Poeta e contista, autor do livro "Os três lados da moeda: vida e morte em poesia" e colaborador em diversas antologias de contos.

13 comentários:

  1. Versos da alma.... encantador poema, talentoso amigo....
    Parabéns!
    Bjins literários,
    Simone Guerra

    ResponderExcluir
  2. É o ciclo da vida... e foi muito bem expressado no poema.
    Bom fim de semana!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Nanda, pelo elogio e pela participação.
      Boa semana para você também.
      Abraços.

      Excluir
  3. Das mãos, cheias de calo pela força do trabalho...
    Rosto marcado pela batalha...
    Das quedas de nossas vidas...
    E no peito, toda compaixão...
    Simplesmente lindo, sou sua fã querido!
    Adoro suas poesias, a maneira como passa emoção em cada linha em seus versos :) Parabéns Denis!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico lisonjeado com seu apreço pelos meus escritos. Também curto muito seu trabalho juntamente com a Simone e as outras escritoras do Para cruzar o atlântico. Vocês são demais :)

      Excluir
  4. Minha nossa, isso toca a alma. Quando eu comecei a ler, eu pensei que era de algum ator famoso, mas parece que é você quem faz esses poemas né?! Se for, tá de parabéns, adoro ler e suas palavras realmente transbordam emoção. Adorei!
    Seguindo aqui seu cantinho pra mim ter mais atualizações suas. Se puder retribuir, fico agradecida. Beeijos e sucesso viu?!
    http://ohmygoodblog.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não é de um famoso, apenas de um poeta "anônimo" que ama ler e escrever. :)
      Fico feliz que tenha gostado e te sensibilizado de alguma maneira. Obrigado pela visita e também pela participação, Thaís. Grande abraço do Girotto.

      Excluir
  5. E, em um piscar de olhos, a juventude se esvai só restando lembranças e cobranças por ignorar que, um dia, o idoso frágil e distante no tempo seremos nós.

    Belo e reflexivo poema Dênis

    Só para avisá-lo, alterei o link do meu blog, isso me custou todos os comentários :-(, mas, ao menos, é um nome que se adequa melhor ao que tento propor lá, espero novas visitas, grande abraço.

    http://omundoemcenas.blogspot.com.br/


    ResponderExcluir
  6. Que lindo, sensibilidade singular, perceber e sentir a vida, depois de tanta vivência as almas ficam menos sofridas, aceitando com resignação que o tempo esvai, mas o que importa é continuar, eu acredito que chegar a velhice é algo maravilhoso!
    Amei ler aqui, seus versos tocam fundo!
    Abraços amigo poeta!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também adoro ler seus poemas, Ivone. Obrigado pelo elogio e também pela visita.
      Grande abraço!

      Excluir

© 2014 O Poeta e a Madrugada Traduzido Por: Girotto Brito - Designed By Girotto Brito.