CORPO INANE

by 17.3.15 12 comentários

Ignóbil homem de negócios
Que vive a permutar a vida
Na balbúrdia do mundo
O perdulário se esbanja 
A perfurar a ferida
De sua própria carne

Drena o sumo de sua essência 
Em atos efémeros
Pobre homem 
Debilitada consciência
Auferindo ilusórias vantagens 
Falta-lhe sapiência

Exalta o supérfluo 
Corpo inane
Sem espólio.

Dênis Girotto de Brito

Escritor

Poeta e contista, autor do livro "Os três lados da moeda: vida e morte em poesia" e colaborador em diversas antologias de contos.

12 comentários:

  1. Lindo poetar sobre a vida sem sentido, pois é amigo poeta, tens uma sabedoria mesmo assim em tenra idade, já conheces o segredo do bem viver!
    Sim, conheces, pois o poeta escreve sua alma, mesmo que muitos neguem isso!
    Amei ler e concordo com os versos, pois a vida só é bem vivida quando plenamente!
    Abraços apertados!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Ivone. Suas visitas aqui no blog são sempre bem vindas, comentários muito gentis. Grande abraço! :)

      Excluir
  2. Definiu em belas palavras o que penso sobre o ser HOMEM, acabou aquele tempo de boas teorias sobre o futuro, a destruição é iminente, somos realmente o câncer do mundo.
    Sexo, Fraldas e Rock'n Roll

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não só do mundo, Paola. Acredito que somos o câncer de nós mesmos. O homem, na sua individualidade e superficialidade, destrói aos poucos seu próprio espírito. Obrigado pela visita.
      Abraço de urso!

      Excluir
  3. É triste quando se perde toda uma vida no que interiormente não vale nada, como você disse acima somos o câncer de nós mesmos, mas acredito que também podemos ser a cura... Algumas pessoas que são do modo que você descreveu no poema, mudam depois de algum grande choque... Nem tudo está perdido rs.
    Ótimo poema, rebuscado e bem estruturado.
    beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade, Lu, também podemos ser a cura. Mas para ser a cura do todo, precisamos curar a nós mesmos. Embora esse vazio de espírito esteja proliferado não podemos generalizar, ainda homens não inanes. Serão eles a cura?

      Obrigado pela visita e pelo elogio.
      Bjão.

      Excluir
  4. Não sei se, escrevendo esse poema, tu quis se referir à uma parcela exclusiva da sociedade, mas para mim serviu como algo de dimensão genérica!
    E isso é muito triste, como disse Lu, afeta toda uma vida.
    Pobre Homem.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Na verdade não se pode generalizar, ainda há pessoas que se mantém preenchidas espiritualmente, mas o número delas é tão pequeno que podemos dizer que existe uma sociedade de homens inanes, na qual habita clandestinamente um pequeno grupo de elevados. Enfim, concordo que é realmente triste.

      Obrigado pela visita, Carol.
      Abraços! :)

      Excluir
  5. Há tanta beleza nas palavras de um poeta! Parabéns, você escreve muito bem!

    =)

    http://joandersonoliveira.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. É triste, Dênis, mas é a pura realidade de determinados grupos, creio eu.

    Um poetar sem dúvida, muito inteligente e lúcido! Parabéns!

    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Lu, pelo elogio e pela visita.
      Grande abraço!

      Excluir

© 2014 O Poeta e a Madrugada Traduzido Por: Girotto Brito - Designed By Girotto Brito.