SENESCÊNCIA

by 14.3.15 10 comentários

Aos sencientes
Aqui presentes
Serei lacônico no recitar
Visto que o oblívio
Não me deixa lembrar
Tudo o que queria 
À vós falar

A senescência do sentimento
Soa como cítara a tocar
Numa coalescência frívola
Embora límpida
A melodiar

Abandone a celeridade
E junte-se aos cágados
É o que tenho a aconselhar
Mestres da longevidade
À calcinar o tempo
O âmago ígneo
A suscitar.

Dênis Girotto de Brito

Escritor

Poeta e contista, autor do livro "Os três lados da moeda: vida e morte em poesia" e colaborador em diversas antologias de contos.

10 comentários:

  1. Que lindo, amei ler amigo poeta, escolhestes bem as palavras rebuscadas para nos mostrar que apesar de envelhecermos, podemos sentir e perceber a força que há em nossas almas, viver é mesmo o melhor combustível, quem vive plenamente sabe envelhecer bem!
    Abraços apertados!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Ivone!
      Você tem toda a razão, viver bem é o melhor combustível. :)

      Excluir
  2. Pois, que seja assim, Dênis, caminhemos lenta e sabiamente, mesmo que o tempo passe veloz...
    Gostei!
    Beijos e muita paz!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso mesmo, Shirley. Sem celeridade, calmamente.
      Obrigado pela visita.
      Abraços! :)

      Excluir
  3. Como disse a Ivone, tu foi bom na escolha das palavras, Girotto!
    Muito bom.
    O tempo nos deixa marcas inesquecíveis, mas nenhuma é tão boa quanto a experiência de saber que "devemos deixar de lado a celeridade".
    Mais um poema espetacular, parabéns.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Carol.
      Fico feliz que tenha gostado.
      Abraços.

      Excluir
  4. la rai eu pro dicionário para tentar entender!!!!
    mesmo porque quando se trata de caminhos sábios, sabemos que sou uma negação!

    Desconstruindo blog

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. kkkkkk Ai Roberta, só você mesma.
      Está se subestimando, maninha.
      Bjos!

      Excluir
  5. O tempo é agora, o ontem não influi nem contribui, o amanhã é abstração que talvez não aconteça. Enquanto isso, envelhecemos desde o dia que nascemos, cada dia a mais, é um dia a menos" Ótima reflexão, Girotto. Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, Fábio. Obrigado, pela visita e pelo elogio.
      Grande abraço!

      Excluir

© 2014 O Poeta e a Madrugada Traduzido Por: Girotto Brito - Designed By Girotto Brito.