AO REPOUSO

by 3.9.15 6 comentários


Nos invernos chuvosos de vidraças embaçadas
Foram tortuosas horas de estupor noturno
Meu corpo frágil, tísico e taciturno
Deitou-se sob o céu, amortalhado

No peito, um incômodo chiado
Arranhando o âmago tuberculoso
Na alma deste horrífico lamentoso
Resquícios de vida, ignorados

Tomo um chá na madrugada fria
Um brinde solitário, uma agonia
Deste defunto ainda não enterrado

Brindo aos mortos e também aos vivos
Aos enfermos, aos esquecidos 
Brindo ao repouso dos corações dilacerados.

Dênis Girotto de Brito

Escritor

Poeta e contista, autor do livro "Os três lados da moeda: vida e morte em poesia" e colaborador em diversas antologias de contos.

6 comentários:

  1. É sempre um privilégio ler seus poemas. Eu estava com saudade, Denis Girotto de Brito!! Seus escritos são sempre admiráveis. Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Cris.
      Fico feliz que aprecie meus poemas.
      Abraços!

      Excluir
  2. Eu com certeza hoje sou mais uma de suas seguiras valeu meu passeio nessa tarde de Domingo.
    Afinal encontrei um grande escritor.
    Abraços.
    Evanir.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Seja bem vinda ao meu espaço, Evanir.
      Fico feliz que tenha gostado dos meus textos.
      Grande abraço!

      Excluir

© 2014 O Poeta e a Madrugada Traduzido Por: Girotto Brito - Designed By Girotto Brito.