MERGULHO

by 22.2.15 4 comentários

Hoje preciso divagar
Perder-me por completo
E caminhar devagar
Entre nuvens de pensamentos
Repletos de vaga-lumes  

Hoje preciso me doar
Pois quem doa
Não pe(r)de
Perdoa por alcançar
O limiar da compaixão

Hoje preciso dançar
Lançar-me em seus braços
E divagar, devagar,
Em esquecimento completo
Certo de me apaixonar

Hoje preciso adoçar
O amargo presente beijado
E aca(l)mar o corpo
Em pe(r)nas macias
Decretar feriado

Hoje eu preciso amar
Des(a)fiar as fibras desse coração
E mergulhar, mergulhar
Em águas calmas 
Águas de redenção.

Dênis Girotto de Brito

Escritor

Poeta e contista, autor do livro "Os três lados da moeda: vida e morte em poesia" e colaborador em diversas antologias de contos.

4 comentários:

  1. Um poema tão suave e sincero, como todos os outros que você o faz. Com o poder de leveza, quase surreal que sentimos ao mergulhar, dependendo de ode, podemos nos esvaziar de tudo.
    Sexo, Fraldas e Rock'n Roll

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Paola. Agradeço sua constante presença aqui no blog. Grande abraço!

      Excluir
  2. É tanta delicadeza nas palavras que não tem como nos tocar, confesso que hoje preciso de boa parte do que foi lido e dito! Parabéns pela escrita suave!

    Abraços

    http://joandersonoliveira.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Joanderson, e obrigado pela visita.
      Abraços!

      Excluir

© 2014 O Poeta e a Madrugada Traduzido Por: Girotto Brito - Designed By Girotto Brito.