O MENINO DOS OLHOS VERMELHOS - CAPÍTULO 1: Edgar Salazar

by 2.5.14 8 comentários

Era uma noite nublada do inverno de 1823, na pequena cidade de Santa Brígida, oeste do país de Tereus. A lua passeava timidamente por entre nuvens enquanto duas parteiras tentavam, exaustivamente, retirar a criança do ventre de sua mãe. O pai permanecia sentado ao lado da lareira observando os gemidos de sacrifício de sua esposa e orando para que tudo terminasse bem e sua criança nascesse com saúde. Lá fora, o vento forte fazia ringir toda a casa de madeira e ameaçava romper as vidraças das janelas, mas isso nem era percebido naquela atmosfera tensa do parto. A lareira, abastecida com alguns poucos gravetos, já não era suficiente para afugentar o frio que adentrava o quarto e vez ou outra ameaçava apagar de vez o fogo que aquecia o ambiente.
Por algum motivo, a criança relutava em vir ao mundo e apesar do frio que fazia o suor escorria nas faces daquelas quatro pessoas. Duas negras, trazidas da cidade vizinha para realizar aquele parto, empurravam e massageavam a barriga de Anne em movimentos síncronos, devidamente treinados pelos anos de experiência, enquanto a senhora de cabelos negros e longos agarrava-se com força à beira da cama e se contorcia inteiramente de dor.
De repente, uma primeira rajada de vento fez tremer toda a casa e, assustadoramente, uma outra estilhaçou a vidraça da janela da cozinha. O vento frio e cortante irrompeu os cômodos da casa e chegou ao quarto em segundos, fazendo com que Júlio corresse para fechar a porta. Juntamente com o ranger da chave ao dar sua primeira volta na fechadura ouviu-se o choro da criança.

— É um menino, senhor. — disse a parteira mais velha, chamada pelo nome de Maria.
— Graças a Deus! — sussurraram os pais do pequeno garoto.
— Deixe-me pegar meu filho.
— Só um minuto, senhor. Precisamos limpá-lo primeiro.

 Júlio Salazar era um homem alto e forte, de cabelos ruivos já meio grisalhos, uma barba imensa que lhe cobria boa parte do rosto e apoiava-se sempre a uma bengala de madeira por conta de um antigo ferimento de guerra. Era conhecido por sua serenidade e paciência inesgotável, típica dos agricultores imigrantes vindos dos países do sul. Conhecera Anne em Santa Brígida há pouco mais de um ano e se casaram ao descobrirem da gravidez inesperada. Ela era filha de comerciantes, mas se tornara órfã ainda quando criança ao ver seus pais morrendo na mesma guerra em que Júlio lutara.

­— Por céus! Nossas preces foram atendidas, Anne. Um menino, como havíamos pedido.

A mulher olhou para o marido com uma reconhecível expressão de dever cumprido, mas nada respondeu. Estava sem forças.
Ao terminar de limpar o pequeno menino, Maria o levou primeiro aos braços da mãe, como era de costume naquela região. Anne agasalhou o bebê em seu colo e lhe deu a benção de boas vindas e chamou seu marido para pegar a criança e dar-lhe o nome, pois no país de Tereus era sempre o pai que nomeava seus filhos. Júlio se levantou da cadeira onde estivera sentado durante boa parte da noite e se aproximava quanto Anne soltou um grito apavorante e lançou a criança longe, que só não caiu no chão porque uma das parteiras o agarrou.

— Demônio, matem-no! Essa criança está possuída. ­— gritava Anne enfurecida e amedrontada.

A parteira que agarrou a criança também ficou repentinamente aterrorizada e aos gritos jogou o bebê no colo do pai, que estava completamente confuso. Foi nesse momento que Júlio entendeu o motivo de todo aquele terror. O garoto tinha olhos cujas córneas eram vermelhas vibrantes, como chamas incendiando seu interior. Algo nunca visto antes por ele ou qualquer outra pessoa deste mundo. Por um momento o homem também se assustou com aqueles olhos tão vermelhos e intensos, mas a criança se acalmou em seus braços como se tivesse ali encontrado alguém de extrema confiança e Júlio olhou para sua esposa deitada na cama e para as parteiras amedrontadas no quanto do quarto e serenamente proclamou em alto e bom som:

— A esta criança, gerada de meu sangue e herdeira de minha linhagem, dou o nome de Edgar Salazar.

Anne ficou descontrolada e, mesmo sem forças, tentava se lançar da cama em direção ao marido.

— Maldito! Essa criança não é deste mundo e eu o amaldiçoo por ter nascido do meu ventre. Ordeno que o mate! — gritava a mãe de Edgar — Você não vê esses olhos? É um demônio, eu sei!
— Cale-se, mulher! Você não sabe o que está falando, é apenas uma criança.

Enquanto o casal discutia a porta se abriu e as duas parteiras fugiram amedrontadas deixando entrar o vento forte que abafara toda aquela gritaria. Júlio fechou a porta, colocou o pequeno Edgar no berço próximo à lareira para que ficasse aquecido e saiu para buscar mais lenha.
Está certo que seus olhos são realmente assustadores, parecem enxergar-me por dentro, mas ele é meu filho, meu sangue e não vou acabar com a vida de uma pobre criança por causa das loucuras de Anne. — pensava Júlio enquanto recolhia o pouco de lenha que estocara no galpão.
Nem dez minutos haviam se passado e, ao ouvir um barulho dentro da casa, Júlio correu para ver o que estava acontecendo e mal pôde acreditar no que presenciou. Sua mulher havia se jogado da cama e com um tesoura na mão arrastava-se em direção ao berço para matar Edgar. Enraivecido, o homem arrancou a tesoura da esposa e a amarrou na cama com pedaços de corda e lençóis.

— Você está louca, completamente louca! Como pode pensar em matar seu próprio filho? Assim que estiver em condições de andar, pegue suas coisas e suma daqui. Nunca será a mãe que meu filho merece. — disse Júlio enquanto amarrava sua esposa.
— Como tem coragem de defender essa coisa? Assim que souberem o que você está fazendo, expulsarão você dessa cidade e acabarão com esse demônio. — gritou enrouquecida a mulher amarrada.

Júlio preferiu não responder, apenas amordaçou sua esposa para que ela não continuasse a gritar palavras de ódio e colocou a criança sobre os seios da mãe para que o amamentasse, mesmo que ela não o quisesse fazer. 
Pela manhã, alguns aldeões e moradores da cidade já rondavam a casa, curiosos para saber se os rumores espalhados pelas parteiras eram verdade. Alguns deles chegaram a bater na porta, mas Júlio se recusou a atender.

— Vão embora, seus tolos! Aqui não há nada que interesse a vocês. — dizia o pai de Edgar tentando mantê-lo protegido.

Ele sabia que Anne estava certa. As pessoas de Santa Brígida eram, em maioria, fanáticos religiosos como ela e que interpretariam aquela característica peculiar da criança com uma aberração, uma ofensa às suas crenças divinas. Os rumores estavam se espalhando e logo grande parte da população estaria ali para forçar-lhe a mostrar o pequeno Edgar, e isso seria seu fim.

— Tenho que fugir. — pensou.

Era o melhor a se fazer. Se queria realmente salvar seu filho teria que abandonar a cidade e procurar algum lugar isolado, onde pudesse criá-lo com maior segurança. Foi aí que Júlio se lembrou de uma propriedade que seu pai havia deixado de herança para seu falecido irmão e que agora se encontrava abandonada. O sítio era pequeno e a cabana precisaria de uma boa reforma e limpeza, mas era o lugar ideal, fora da cidade e dos olhares preconceituosos daquele povo.

— Vamos Edgar, precisamos nos apressar. Logo aqueles vermes estarão aqui para nos aborrecer. — falava com o menino como se ele pudesse entendê-lo.

Anne ainda dormia, exausta, enquanto seu marido juntava algumas roupas e calçados em uma trouxa feita com um cobertor de lã. Num frasco de vidro, Júlio coletou certa quantidade de leite dos seios de sua mulher para alimentar o garoto durante a viagem e, ao perceber o quanto ela estava debilitada, seu coração encheu-se de remorso e tristeza por não poder ficar para cuidar daquela que tanto amou. Retirou então a mordaça e desamarrou sua mulher.

— Perdoe-me meu amor. Não queria que as coisas acabassem assim. Sempre imaginei que seríamos nós três, mas você se deixou cegar por essa crença estúpida e agora eu nada posso fazer para te levar comigo. Tenho certeza que a partir de hoje a vida será bem mais difícil para mim e para você, mas saiba que desejo o melhor em sua nova vida e quem sabe um dia nos vemos novamente e você possa aceitar nosso filho como ele realmente é. Eu sempre te amarei. — sussurrou Júlio emocionado, próximo ao ouvido de Anne na esperança que ela pudesse lhe escutar mesmo dormindo.

Nesse instante, o homem ouviu uma gritaria começando do lado de fora da casa. Eles chegaram — pensou. E uma voz se destacava entre tantas outras.

— Salazar, abra a porta! Estamos sabendo que esconde um demônio e viemos buscá-lo, abra a porta ou teremos que arrombá-la.

Maldito Vladimir Frasão e sua corja de fanáticos! — sussurrou para si mesmo enquanto acomodava o menino em uma espécie de bolsa presa às suas costas.

— Não há demônio nenhum aqui, seus intrometidos! Voltem para suas casas e deixem de perturbar a vida alheia! — respondeu Júlio.
— Viemos aqui para cumprir a vontade do Senhor e só iremos embora depois que mandarmos esse demônio de volta para o buraco de onde saiu. Abra a porta, Salazar! É meu último aviso.

Pela vidraça quebrada, Júlio pôde enxergar um grupo de aproximadamente duzentas pessoas com pedaços de madeira, ferramentas e pedras nas mãos, prontos para invadirem a casa, e à frente, um homem baixo e gordo, com um enorme crucifixo pendurado no pescoço liderava a multidão.

— Vladimir, seu miserável! — pensou enraivecido o pai de Edgar.

Nesse momento, uma pedra quebrou a vidraça da janela do quarto e a multidão começou a avançar. Júlio pegou tudo que conseguia carregar e correu mancando com sua velha bengala para a porta dos fundos, era a única saída. Já do lado de fora, entrou no cafezal e permaneceu correndo sem olhar para trás, subindo a colina em direção ao norte.
O inverno daquele ano castigou muitas plantações, inclusive sua lavoura de café. As folhas secas, queimadas pelas constantes geadas, formavam um cenário único e tenebroso, que parecia uma cascata cinzenta descendo colina abaixo sob um gélido pôr-do-sol.
Do alto da colina, Júlio pôde ouvir quando arrombaram a porta e entraram na casa à sua procura, mas ele e Edgar já estavam escondidos na velha caixa d’água, a uma distância segura onde eles não o encontrariam.
Revoltados por não conseguirem pegar o tal demônio, atearam fogo na casa sem qualquer piedade. E da escuridão, o pai do pequeno Edgar pôde assistir as chamas, tão ardentes quanto os olhos de seu filho, consumirem sua casa e sua esposa, num espetáculo incrivelmente triste que dilacerou completamente o coração daquele pobre homem.



Dênis Girotto de Brito

Escritor

Poeta e contista, autor do livro "Os três lados da moeda: vida e morte em poesia" e colaborador em diversas antologias de contos.

8 comentários:

  1. Gostei muito do enredo, mas discordo do sentimento dos pais, acho que a Mãe deveria estar no lugar do pai.
    Aguardando a continuação =D

    ResponderExcluir
  2. Também gostei muito desse capítulo inicial. Apesar das mães geralmente serem mais atenciosas e receptivas aos filhos, isso não é uma regra, há muitas mães nesse mundo que, por um motivo ou outro, não amam seus filhos como deveriam e há até casos de mães que matam seus filhos. Nesse caso, eu entendi que a mãe era meio fanática em suas crenças e esse fanatismo a impediu de estabelecer laços pelo seu filho recém nascido e o pai, livre de preconceitos, assumiu o papel de cuidar e salvar seu filho. :)

    ResponderExcluir
  3. Bem legal cara. NO aguardo da parte 2 :D

    ResponderExcluir
  4. Adorei o 1º capítulo e tenho certeza que vou curtir toda a estória. Vejamos o que é e o que será desse menino de olhos vermelhos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que gostou meu amigo. Já tem outros capítulos disponíveis para leitura. Grande abraço.

      Excluir
  5. Trama muito bem elaborada. Me conta depois de onde veio a inspiração.

    ResponderExcluir

© 2014 O Poeta e a Madrugada Traduzido Por: Girotto Brito - Designed By Girotto Brito.